Evite dor de cabeça: adquira consórcios com empresas confiáveis.

Criado no início da década de 1960, em Brasília, como uma alternativa financeira para compra de carros, os consórcios se adaptaram e expandiram suas opções. Seja para adquirir um veículo novo, uma casa ou outro patrimônio, os brasileiros têm buscado investir cada vez mais em consórcio. Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Administradoras de Consórcio (ABAC), a venda de novas cotas nos primeiros oito meses de 2018 apresentou alta de 7,9%, em relação ao mesmo período de 2017.

Apesar de ser uma ótima modalidade de investimento, é preciso que os clientes saibam avaliar as empresas que ofereçam o produto. Os interessados devem pesquisar bem sobre a administradora em que pretendem fechar negócio, para não se envolverem com empresas não idôneas. Em Mato Grosso do Sul (MS) uma quadrilha foi presa por dar golpes em diversas pessoas. O grupo organizado oferecia cartas de crédito de casas e veículos com baixos valores de entrada e de parcelas. Para evitar que mais problemas como esse aconteçam, a ABAC orienta que os clientes busquem por empresas que sejam cadastradas na associação.
Como é o caso da Bancorbrás Consórcios, que há mais de 30 anos trabalha para oferecer as melhores condições de investimentos para os seus consorciados. "Para impedir imprevistos, é recomendado contratar uma administradora que forneça não apenas boas condições, mas também segurança e tranquilidade para que o sonho saia do papel", afirma o Diretor Executivo da Bancorbrás Consórcios, José Climério Silva de Souza.

Os interessados em contratar um consórcio devem enxergá-lo como um investimento de longo prazo. Nessa modalidade, os clientes têm a possibilidade de contemplação por sorteio e também de oferecer lances, podendo embutir parte do valor do lance utilizando a carta de crédito.
A prestação é constituída pelo fundo comum - valor pago pelo consorciado para formar a poupança que será destinada à compra do bem -, pela taxa de administração e por um fundo de reserva. Segundo José Climério, o consórcio é, atualmente, a forma mais vantajosa de se investir. "Os clientes podem escolher entre diversos valores de carta de crédito, de acordo com o seu poder de compra", afirma.